Quem sou eu

Minha foto
Em 2009 fui diagnosticado com uma doença do neurônio motor (DNM) Trata-se de uma doença neuromuscular, progressiva, degenerativa e sem cura. Mesmo assim insisto que vale a pena viver e lutar para que pesquisas, tratamentos paliativos, novos tratamentos cheguem ao Brasil no tempo + breve possível, alem do respeito no cumprimento dos nossos direitos. .

6 de mar de 2011

Pesquisa sugere que esclerose lateral amiotrófica seja causada por um retrovírus

De acordo com cientistas, retrovírus HERV - K pode ser o responsável pela doença neurodegenerativa

Ciência e Tecnologia
03.03.2011

Retrovírus que se inseriu no genoma humano há milhares de anos pode ser responsável por alguns casos da doença neurodegenerativa esclerose lateral amiotrófica - amyotrophic lateral sclerosis - (ALS), também conhecida como doença de Lou Gherig's. A descoberta, feita por cientistas da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, e publicada pelo site e! Science News, pode fornecer aos pesquisadores uma nova forma de tratar a condição, que pode ser fatal.
Enquanto cerca de 20% dos casos de ALS parecem ter uma causa genética, a grande maioria dos casos surgem de forma esporádica, sem uma causa conhecida. Grupos de pesquisa em busca de encontrar uma causa para a doença já haviam encontrado uma proteína conhecida como " transcriptase reversa" , pertencente à um retrovirus como o HIV, encontradas em amostras de pacientes com ALS, o que indica que a doena pode ser desencadeada por um retrovirus. No entanto, estes grupos não foram capazes de ligar a proteína à um retrovirus específico, o que deixou a comunidade científica em dúvida em relação ao fato de a doença estar ligada à um retrovirus.
Na busca por um retrovirus responsável pela ALS, Avindra Nath, MD, professor de neurologia da Universidade Johns Hopkins School of Medicine, e seus colegas examinaram amostras de tecido cerebral de 62 pessoas: 28 que morreram de ALS, 12 que morreram de doença crônica - como o câncer -, dez que morreram por causas acidentais e 12 que tinham outra doença neurodegenerativa, como Parkinson, no momento de suas mortes. Usando uma técnica conhecida como reação em cadeia da polimerase, os pesquisadores procuraram por RNA mensageiro (mRNA) transcrições de retrovírus, por uma assinatura química de quais retrovírus eram ativos nestes pacientes.
Nas amostras de pacientes com ALS e portadores de doenças crônicas, a pesquisa encontrou cópias de RNAm oriundos de retrovírus endógenos humanos K (HERV-K). Este retrovírus é um dos milhares que se tornou uma parte do genoma humano depois de infectar nossos antepassados há muito tempo. Atualmente, esses retrovírus não são contagiosas, mas são repassados através de herança em parte do genoma que os cientistas consideram "lixo" do DNA.
Quando Nath e seus colegas olharam o mRNA de forma mais atenta identificaram que as transcrições pareciam ter sido originadas de diferentes partes do genoma nas amostras de pacientes com esclerose lateral amiotrófica e doença sistêmica. As transcrições também vieram de diferentes tecidos no cérebro. Enquanto pacientes com ALS tendem a ter transcrições do HERV-K presentes nas áreas do córtex motor do cérebro - a área afetada pela doença - os outros pacientes as trasncrições foram distribuídas de forma mais difusa no cérebro.
Embora os investigadores adotem cautela em relação aos resultados da pesquisa, eles sugerem que o retrovírus HERV-K pode ser o responsável pela ALS. "Este documento não estabelece o nexo de causalidade para além do nível de dúvida, mas fornece algumas ligações promissoras entre HERV-K e ALS," diz Nath. "Nós nunca havíamos encontrado um retrovírus putativo para essa doença antes, então isso abre uma nova área."
Agora o pesquisador planeja estudar os fatores que podem levar o HERV-K a se reativar em algumas pessoas e conduzir aos sintomas da esclerose lateral amiotrófica. A pesquisa pode abrir caminho para o desenvolvimento de anti-retrovirais específicos para HERV-K no tratamento da doença.