Quem sou eu

Minha foto
Em 2009 fui diagnosticado com uma doença do neurônio motor (DNM) Trata-se de uma doença neuromuscular, progressiva, degenerativa e sem cura. Mesmo assim insisto que vale a pena viver e lutar para que pesquisas, tratamentos paliativos, novos tratamentos cheguem ao Brasil no tempo + breve possível, alem do respeito no cumprimento dos nossos direitos. .

6 de jul de 2012

Diretoria da Biogen Idec recebe representantes do Movela e da Dep Fed Mara Gabrilli

Sr Liamas, Drª Gorana e o Sr Francisco com voluntários do
Movela  durante evento em Brasília no último dia 21/06


  última segunda-feira (2/7) a Direção da Biogen Idec  recebeu uma comissão formada pelas seguintes pessoas:

Os Psicólogos  Vânia de Castro e Sérgio Rosa, representando o Movela

A Profª Aline, acessora da Dep Fed Mara Gabrilli.

O objetivo da reunião foi buscar uma relação mais próxima com essa importante  empresa de Biotecnologia, e que, como todos sabem, em breve estará lançando a Dexpramipexole no mercado mundial, o primeiro tratamento com perspectiva de melhora clínica (não me refiro a cura)  na ELA.

Naquela oportunidade foi entregue a Diretoria da Biogen o filme produzido pela Alexandra Szafir, onde a ideia é ceder os direitos de uso do filme para a Biogen, claro, mediante o concentimento de uso da imagem por todos os  participantes. Os seguintes tópicos foram abordados durante a reunião:   



·         O que é a ELA, as necessidades e sofrimentos das pessoas com ELA, familiares e cuidadores.

·         A droga Dexpramipexole – encontra-se em fase III até final de 2012/janeiro de 2013. Ainda não se tem certeza absoluta dos seus resultados para pessoas com ELA.

·         Em seguida entrará na fase Empower – aproximadamente dois meses.

·         O uso compassivo não está acontecendo em nenhum lugar do mundo.

·         Atualmente há diálogo entre as indústrias farmacêuticas e o governo.

·         A ANVISA está num processo de reestruturação, o que proporciona mudanças significativas no mercado interno a partir de convênios com agências reguladoras de outros países, espera-se que com isso o registro de novos medicamentos essenciais para pacientes acometidos por doenças raras como a ELA, sejam acelerados.

·          Há falta de recursos humanos na CONEP e ANVISA o que atrapalha algumas etapas de liberação de pesquisas. Estudos na fase III com medicamentos que poderiam ser liberados em dois meses, podem atrasar por falta de recursos humanos dentre outras demandas externas desfavoráveis. A publicação dos resultados das pesquisas está diretamente ligada as regras das agências internacionais, assim como, ANVISA e CONEP e órgãos reguladores de pesquisas. A indústria farmacêutica tem uma série de quesitos a seguir até terminar o estudo para tornar possível a comercialização de medicamentos.

·         A Biogen não está comercializando o Dexpramipexole e, ainda, não pode afirmar quando iniciará a comercialização.

·         A Biogen desconhece a procedência de vendas de Dexpramipexole pela internet. A droga não está disponível no mundo porque os dados não foram finalizados. O Brasil não entrou no estudo clínico devido a velocidade demandada para inclusão de pacientes vs tempo de aprovação para a realização deste tipo de estudo no Brasil. O estudo está fechado para a participação de interessados.

·         Tem-se ciência das necessidades e urgências de medicamentos que estacionem ou regridam os sintomas da doença. No entanto, é necessário cautela e bom senso na divulgação de novos medicamentos e tratamentos, uma vez que, a situação é delicada e não temos o direito de levantar falsas expectativas na população. Por isso, a necessidade de divulgação de dados apenas quando forem definitivos.

·          Apesar de não termos discutido este tema em nossa reunião, a Biogen Idec é uma das poucas empresas no mundo que vem se dedicando a avançar nos estudos para o desenvolvimento de iniciativas do tratamento de pessoas com ELA. Neste momento, a empresa participa de uma iniciativa com importantes centros de pesquisa, para um projeto de sequenciamento genético que visa mapear o gene da ELA para tentar avançar na descoberta de novas alternativas de tratamento.

·          É preciso verificar a questão de cedência dos direitos autorais de participação no vídeo criado por Alexandra Lebelson Szafir e Movela para que seja autorizado formalmente o uso do mesmo pela empresa.

·          A Biogen irá lançar uma revista corporativa impressa, com versão on-line, sobre pesquisa, novos medicamentos e temas afins e irá verificar a possibilidade da publicação de uma matéria que traga mais informações sobre ELA para a próxima edição. A ideia é apanhar opinião de especialistas sobre a ELA com o objetivo de auxiliar na divulgação e conscientização sobre a doença.

·         Os participantes se dispuseram a trabalhar em conjunto para fortalecer a luta por melhores condições de vida e saúde às pessoas com ELA. Pode parecer pouco o que se conseguiu até agora, diante dos visíveis avanços nos cuidados das pessoas com ELA, porém muito se fez nos últimos anos, no entorno dos centros urbanos, mas sabemos que diante da necessidade premente da pessoa com ELA ainda é muito pouco principalmente quando o paciente reside fora dos grandes centros de referência em pesquisas. Daí a importância do trabalho conjunto entre pacientes, cuidadores, familiares, representantes públicos e privados.