Quem sou eu

Minha foto
Em 2009 fui diagnosticado com uma doença do neurônio motor (DNM) Trata-se de uma doença neuromuscular, progressiva, degenerativa e sem cura. Mesmo assim insisto que vale a pena viver e lutar para que pesquisas, tratamentos paliativos, novos tratamentos cheguem ao Brasil no tempo + breve possível, alem do respeito no cumprimento dos nossos direitos. .

22 de nov de 2014

Diretor da Anvisa confirma prazo de 90 dias para pesquisas clínicas com medicamentos

Em reunião com a senadora Ana Amélia, Renato Porto destacou que prazo será válido para pedidos na fase 3


O diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Renato Porto, confirmou à senadora Ana Amélia (PP-RS), nesta sexta-feira (21), que o prazo para liberação de pesquisas clínicas com novos medicamentos será de 90 dias. O encontro ocorreu no gabinete da progressista em razão do trabalho que tem desenvolvido durante o mandato para dar mais agilidade à liberação dos testes com novas medicações.
A nova norma da agência é válida para pesquisas na fase 3, que são de baixo risco ao paciente e procuram confirmar se o produto realmente apresenta o efeito desejado. Conforme Porto, depois desses três meses, se a pesquisa ainda não tiver sido aprovada, a liberação ocorrerá de forma automática. O diretor da agência demonstrou, no entanto, confiança de que todos os pedidos serão analisados.
— Não trabalhamos com a hipótese de não avaliar o pedido no prazo — garantiu.
Coordenadora de Pesquisa Clínica da Anvisa, Patricia Ferrari Andreotti, participou do encontro no gabinete da senadora e enfatizou a preocupação com a segurança dos pacientes. Os testes na fase 3 apresentam baixo risco à população, pois já passaram por etapas anteriores em outros países. Pesquisas nas fases 1 (quando um novo produto começa a ser testado em seres humanos) e 2 (para saber qual é a dose adequada) terão prazo maior, mas são minoria nos pedidos registrados junto à Anvisa.
Cobaias
Por iniciativa da senadora, em março, audiência pública do Senado discutiu o sistema regulatório da pesquisa clínica de medicamentos no país. O debate surgiu após receber relato da demora na liberação dos testes, impedindo o acesso de pacientes a novos tratamentos. Lutando contra um câncer de pulmão, Afonso Hass, da cidade gaúcha de Ijuí, contou à senadora sobre a importância de ser cobaia de um novo medicamento em busca da cura.
Durante a audiência, a 42ª posição no ranking mundial de pesquisas clínicas foi atribuída à burocracia excessiva de órgãos como a Anvisa e a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), vinculada ao Conselho Nacional de Saúde. A partir do debate na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, um grupo de trabalho com representantes de órgãos governamentais e da iniciativa privada procurou alternativas para reduzir o período de espera para a liberação dos testes de medicamentos com pacientes.
Durante a reunião desta sexta-feira, os representantes da Anvisa destacaram a relevância do trabalho da senadora para desburocratizar a análise de novos ensaios clínicos. Conforme Patricia, a iniciativa de Ana Amélia trouxe atenção ao tema, com mobilização de diferentes setores para melhorar o processo de liberação dos testes com medicamentos.
— É gratificante receber esse reconhecimento, pois trabalho neste assunto preocupada com os pacientes, em agilizar o acesso às pesquisas com novos medicamentos — destacou Ana Amélia.

Fonte:http://www.senadoraanaamelia.com.br/noticias/diretor-da-anvisa-confirma-prazo-de-90-dias-para-pesquisas-clinicas


Nota do Blog: Sem  sombra de dúvidas, uma excelente noticia para os milhões de pacientes que no Brasil sofrem de doenças cuja cura ainda não foi encontrada  pela ciencia, e cujos pacientes estão sob risco de morte. por falta de um tratamento eficaz, ou pela sua inexistência. No Brasil,  cerca de 13 milhões de brasileiros sofrem de DR´s, doenças neglicenciadas pelo poder público e em grande parte diagnosticadas de forma tardia, quando são,  como as Doenças do Neuronio Motor.