Quem sou eu

Minha foto
Em 2009 fui diagnosticado com uma doença do neurônio motor (DNM) Trata-se de uma doença neuromuscular, progressiva, degenerativa e sem cura. Mesmo assim insisto que vale a pena viver e lutar para que pesquisas, tratamentos paliativos, novos tratamentos cheguem ao Brasil no tempo + breve possível, alem do respeito no cumprimento dos nossos direitos. .

10 de set de 2016

Análise de genes envolvidos na Esclerose Lateral Amiotrófica para diagnóstico diferencial



Por Tatiane D. Conzedey, PhD

As doenças neurodegenerativas são caracterizadas por morte neuronal, insidiosa, progressiva e irreversível. Formam um grupo heterogêneo de patologias determinadas por diferentes mecanismos. Um grande número de doenças neurodegenerativas apresenta etiologia genética, enquanto que outras ocorrem de forma esporádica independente de herança genética.

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) pode ser classificada em familiar ou esporádica, e acomete indivíduos de meia idade, normalmente acima dos 50 anos. Suas manifestações clínicas incluem fraqueza progressiva, atrofia, fasciculação, hiperreflexia, disartria, disfagia, e eventual paralisia da função respiratória.

 No momento não há cura ou tratamento efetivo para que se detenha ou se reverta o processo degenerativo da ELA. Para melhorar a qualidade de vida dos pacientes são realizados tratamentos paliativos. Com os avanços recentes da genética molecular, genes responsáveis por diversas formas clínicas desta doença estão sendo caracterizados.

No momento já existem mais de 20 genes associados a ELA. Este estudo visa o diagnóstico comprobatório e diferencial da etiologia genética da ELA, contribuindo dessa forma, para efetuar o aconselhamento genético mais preciso dos pacientes, para que a ELA deixe de ser uma doença subnotificada, e também fornecendo mais informações para auxiliar no entendimento da patogênese da ELA.

Para a realização deste estudo, sangue de pacientes encaminhados ao Instituto de Neurologia Deolindo Couto (INDC/UFRJ), foram coletados e encaminhado ao Laboratório de Genética Humana do IOC/FIOCRUZ e para o Neuro Genetics Lab, McGill University, Montreal, Canada (doutorado sanduíche) para a realização do rastreamento de 5 genes (SOD1, TARDBP, FUS, VAPB e ANG) e genotipagem de 2 genes (C9ORF72 e ATXN2) envolvidos na ELA.

Nossos achados revelaram 15 SNPs nos diferentes genes estudados (ANG, FUS, SOD1, TDP-43 e VAPB). Pela primeira vez, foi descrito um paciente brasileiro de ELA-FTD (Demência Frontotemporal) com a repetição expandida C9ORF72. Após o rastreamento do gene VAPB foram encontradas 6 famílias com a mutação P56S, onde 5 possuem AME (Atrofia muscular espinhal) de início tardio e apenas uma possui ELA.

Nossos achados e de estudos anteriores nos levaram a concluir que a mutação P56S no gene VAPB parece ser mais frequente em pacientes de AME de início tardio do que em pacientes de ELA. Encontramos uma nova mutação no gene TARDBP, em um paciente de ELA-E (ELA esporádica), e após realizarmos a caracterização da mesma, vimos que ela leva a perda de função do gene através de efeito hipomórfico.

 Pela primeira vez, foi visto a associação da repetição expandida CAG no gene ATXN2 e o risco de causar ELA em pacientes brasileiros, bem como ocorrência, concomitante, de ATXN2 e da mutação P56S no gene VAPB em pacientes de ELA e de AME de início tardio. Isso sugere que o gene ATXN2 poderia ser fator de risco não apenas para a ELA, como para a AME de início tardio.

Nosso estudo veio somar-se ao conhecimento da ELA na população brasileira e de certa forma também para AME de início tardio. E enfatiza a importância da associação da clínica com a genética para um diagnóstico mais preciso.


FONTE: http://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/14226
Imagens meramente ilustrativas