Quem sou eu

Minha foto
Em 2009 fui diagnosticado com uma doença do neurônio motor (DNM) Trata-se de uma doença neuromuscular, progressiva, degenerativa e sem cura. Mesmo assim insisto que vale a pena viver e lutar para que pesquisas, tratamentos paliativos, novos tratamentos cheguem ao Brasil no tempo + breve possível, alem do respeito no cumprimento dos nossos direitos. .

17 de mar de 2012

Bate-papo com a Drª Carolina (HCRP) sobre pesquisas com CT adultas em ELA

Drª Maria Carolina, médica e pesquisadora do HCRP

P- Drª Carolina, fale um pouco sobre o protocolo de Atlanta, pois trata-se também de um estudo com CT adultas em ELA.

R- Quanto aos estudos, o de Atlanta usa células retiradas de tecidos fetais e processadas em laboratório. Como vantagens, é uma terapia que visa não somente impedir a progressão da doença, mas também repor os neurônios já destruídos. Como desvantagens, é um procedimento cirúrgico, com implante das células na medula espinhal. Além disso, essas células tendem a ser rejeitadas, portanto será necessário usar imunossupressores durante muito tempo para mantê-las no local.

P- E o protocolo de Israel, é o mesmo utilizado em Atlanta?

O de Israel é um pouco mais difícil de comentar porque as células são manipuladas em laboratório de uma maneira não divulgada. Como desvantagens, essas células não estão prontas, mas precisam ser modificadas antes do uso. Como vantagens, dispensam uso de imunossupressor, por se tratarem de células mesenquimais, que são pouco rejeitadas. Entretanto, não é possível dizer nada sobre segurança que, como eu disse, depende do tipo de manipulação.

P- O estudo de Ribeirão Preto usará CT adultas retiradas do sangue de cordão umbilical. Fale um pouco sobre isso.

R- O uso de células de sangue de cordão (nosso estudo) também tem seus lados. Como vantagens, as células estão prontas e oferecem poucos riscos ao paciente receptor. Como desvantagens, essas células visam controlar a morte dos neurônios, mas não recupera (pelo menos não em grandes proporções) aqueles que já foram destruídos. O paciente, portanto, não deverá melhorar, mas parar de progredir ou progredir mais lentamente.